Sidebar

26
Qua, Jun

Ato Fora Temer

  • A TV Poeira vem se colocando como uma importante trincheira pela democracia, desde o início da campanha contra o processo de impeachment ilegal, instaurado na Câmara dos Deputados. No vídeo abaixo, diversos artistas falam sobre as  manifestações programadas para o domingo (31). 

    "Dia 31 de julho, teremos manifestações por dois caminhos no país. Um que apoia um governo só de homens brancos, ricos, investigados pela Lava Jato e que foi convocado por um grupo que mobilizou o país contra a corrupção, mas que no fundo foi patrocinado por partidos corruptos e ajudaram a colocar uma quadrilha no poder", dizem os artistas.

    "O outro quer um Brasil com mais direitos, sem o preconceito racial, sem homofobia, sem o machismo, com mais diversidade, sem corrupção. E acima de tudo que tem o direito de escolher o seu presidente", aí perguntam: "de que lado você fica?. Com Temer ou fora Temer?". E "por um 'acordão' para barrar a Lava Jato ou por uma reforma política para barrar a corrupção?" Enfim perguntam se "este Congresso deve decidir os rumos do Brasil ou você com seu voto?"

    Assista o brilhante vídeo da TV Poeira

    Mais um vídeo genial da TV Poeira 

     

    Em depoimento também para a TV Poeira, o cantor e compositor Mano Brown, do Racionais MC's, diz que "eles (elite golpista) querem trocar um governo por outro" e nada mais. Critica a mídia e diz que "o povo está alheio. Isso que é muito preocupante", afirma. 

    De acordo com o rapper paulista, "se perguntar na periferia quem é o Renan Calheiros ninguém sabe, se perguntar quem é Eduardo Cunha, o camelô não sabe e eles estão detonando o país". Perguntado sobre qual a solução para o impasse vivido no Brasil ele responde que é "eleição direta". No final pergunta ao interlocutor: se o Brasil não é "um país de crime organizado, por que estes caras estão no poder?"

    Veja Mano Brown 

    O grupo pernambucano Nação Zumbi puxa o ‪#‎ForaTemer,‬ durante apresentação no Festival de Inverno de Garanhuns e o público segue o canto e vibra com a frase mais dita no país nos últimos dois meses.

     Nação Zumbi entoa #ForaTemer

    Nesta quarta-feira (27), durante a abertura do Seminário Democracia na América Latina, em Curitiba, cerca de 7 mil pessoas gritaram "Fora Temer", à espera do ex-presidente uruguaio Pepe Mujica.

    Acompanhe o uníssono "Fora Temer" 

    A presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, convoca os estudantes para participar dos atos  "Fora Temer", promovido pela Frente Povo Sem Medo, em diversas cidadades no Brasil e em outros países como Alemanha e Holanda. Ela diz que é "o povo quem deve decidir sobre os rumos do país", por isso defendeu o plebiscito como forma de resolver o impasse criado pela elite golpista.

    Carina Vitral convoca para a defesa da democracia

     

    O cineasta Ruy Guerra, que nasceu em Moçambique e naturalizou-se brasileiro, visitou o Ocupa Minc RJ, na segunda-feira (25), logo após a desocupação violenta e disse que "estamos muito próximos do fascismo", ele critica a atuação do judiciário e diz que virou um "reduto do fascismo". 

    Assista o cineasta Ruy Guerra

    tico santa cruz povo sem medo

    gregorio duvvivier povo sem medo

    juca kfouri povo sem medo

    Portal CTB com agências

  • Debater o desmonte promovido pelo governo federal é o objetivo da audiência pública que acontece nesta quarta-feira (13), no Auditório Nereu Ramos, às 13 horas, na Câmara dos Deputados.

    Aberta ao público, audiência é convocada pela Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania e partidos políticos (PCdoB, PT, PSol, PDT), e deve contar com a participação de representantes das principais entidades de classe, sindicatos, federações, associações, que reúnem desde bombeiros a engenheiros, professores, petroleiros, servidores públicos de órgãos diversos, trabalhadores em geral.

    O governo federal vem ampliando insidiosamente suas iniciativas para desmontar o Estado brasileiro e vender empresas públicas ligadas a setores estratégicos como transportes, energia, portos e aeroportos, comprometendo a soberania nacional.

    Para  Vitor Frota, dirigente da CTB-DF, esse debate é de suma importância, já que o governo está colocando o país à venda. "Temer está desmontando as universidades públicas federais e estaduais,  vendendo a Base de lançamento de foguetes de Alcântara no Maranhão, as terras aos estrangeiros. E tudo isso por meio de medida provisória para acelerar o processo. Não existe nenhuma discussão com a sociedade ou com os técnicos e sindicatos das áreas", afirmou Frota.                

    “A CTB defende os direitos de todos os trabalhadores bem como as riquezas naturais do Brasil. E amanhã será mais um momento de manifestarmos nosso repúdio ao governo que vende direitos e quer o Estado zero”, protestou o sindicalista, que também é dirigente do Sindicato dos Urbanitários do DF.

    Serviço:

    Encontro de Resistência Contra o Desmonte do Estado Brasileiro

    Dia 13 de setembro, às 13h

    Auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados

     

    Portal CTB

     

  • A professora Diva Guimarães emocionou o público e o ator Lázaro Ramos, na sexta-feira (28), na 15ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), no litoral sul fluminense. Na mesa “A Pele que Habito”, depois das falas do ator baiano e da jornalista portuguesa, Joana Gorjão Henriques, a professora paranaense, de 77 anos, contou a sua história.

    Neta de escravos, Guimarães diz que, além de ser levada a um internato de freiras aos 5 anos, as crianças eram colocadas para trabalhar e que as freiras contavam histórias racistas para elas, chamando os negros e negras de “preguiçosos” e de “inferiores”.

    Visivelmente emocionado, Lázaro Ramos fez uma defesa enfática da educação pública. "A gente precisa fazer um pacto de investir em educação pública de qualidade. Não podem sucatear a educação brasileira. A educação pública tem que ser valorizada, o professor tem que ser valorizado". O público respondeu gritando "Fora Temer".

    Assista a história de Diva Guimarães 

    Circula também pela internet uma petição da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq). A campanha "O Brasil é Quilombola, Nenhum Quilombo a Menos!”, foi lançada na sexta.

    O abaixo-assinado pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheça a constitucionalidade do Decreto 4.887/2003 assegurando os direitos das comunidades quilombolas.

    Veja o vídeo da campanha O Brasil é Quilombola, Nenhum Quilombo a Menos! 

    Isso porque o STF deve julgar na quarta-feira (16) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), impetrada pelo Democratas em 2004.  

    De acordo com a Conaq, a votação se arrasta desde 2012. Dois ministros já votaram. César Peluso, que era relator da ADI, e já não se encontra mais no STF, votou a favor da ação, enquanto Rosa Weber votou pela constitucionalidade do decreto, mas apenas para as comunidades na posse de seus territórios em 5 de outubro de 1988, teriam direito à titulação.

    Assine e defenda os direitos quilombolas:

    https://peticoes.socioambiental.org/nenhum-quilombo-a-menoshttps://peticoes.socioambiental.org/nenhum-quilombo-a-menos

    “Parece que este país está andando para trás em todas as áreas. Impossível retirar os remanescentes quilombolas de suas terras. Seria a morte dessas populações que cuidam das terras e as protegem da degradação”, afirma Mônica Custódio, secretária da Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Ela insiste na importância de assinar essa petição para “impedir mais essa agressão aos direitos dos povos originários, além de forte ameaça às nossas florestas e riquezas do nosso subsolo, sempre usurpadas por países imperialistas”.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy com informações da Conaq

  • De acordo com o grupo Bonde Mídia, de Campinas, no interior de São Paulo, um “mar de gente” tomou as ruas da cidade no ato “Fora Temer” nesta quinta-feira (1º)

    O grupo diz que “a Polícia Militar estima que 2 mil pessoas estiveram presentes no ato. O vídeo do Bonde Mídia dá uma noção exata do tamanho do protesto”.

    Assista

     

    O grupo Democratize, que compartilhou o vídeo, conta inclusive que “formado por uma imensa maioria de jovens, o protesto reuniu movimentos sociais, partidos políticos e estudantes. O ato pedia, entre outros pontos, a imediata destituição do presidente Michel Temer e convocação de eleições gerais contra o golpe”.

    Pelas imagens, percebe-se que o governo golpista não vai ter vida fácil. As manifestações crescem na mesma proporção em que aumenta a repressão. Na capital paulista, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) proibiu manifestação na avenida Paulista no domingo (4) e o presidente golpista Michel Temer autorizou a utilização até das Forças Armadas.

    Juristas garantem que a Constituição garante a liberdade de manifestação, sema  necessidade de autorização e os manifestantes mostram-se dispostos a prosseguir.

    Portal CTB

  • Desde o início da madrugada nesta terça-feira (04), o ex-ministro Geddel Vieira Lima já está detido na Superintendência da Polícia Federal (PF), em Brasília. A prisão preventiva foi pedida pela PF e pelos integrantes da Força-Tarefa da Operação Greenfield, a partir de informações fornecidas em depoimentos do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, do empresário Joesley Batista e do diretor jurídico do grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, sendo os dois últimos em acordo de colaboração premiada.

    Em janeiro deste ano, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa do ex-ministro, alvo da Operação Cui Bono, que investiga o suposto esquema de corrupção na Caixa no período entre 2011 e 2013 – período em que Geddel ocupou a vice-presidência de Pessoa Jurídica da instituição.

    Ao decretar a prisão preventiva do ex-ministro Geddel Vieira Lima, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal no Distrito Federal, autorizou a busca e apreensão de aparelhos celulares do investigado e a quebra do sigilo telefônico dos aparelhos apreendidos. O objetivo é buscar elementos para comprovar os contatos de Geddel com a esposa do doleiro Lúcio Funaro, preso na Operação Lava Jato.

    Na decisão, o juiz diz que Geddel entrou em contato por diversas vezes com a esposa de Funaro para verificar a disposição do marido preso em firmar acordo de colaboração premiada, o que pode caracterizar um exercício de pressão sobre Funaro e sua família. Segundo o magistrado, não é a primeira vez que Geddel tenta persuadir pessoas ou pressioná-las, lembrando o episódio em que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero acusou Geddel de atuar para a liberação da construção de um imóvel em Salvador.

    Para o juiz, há provas até o momento da participação de Geddel no esquema de irregularidades apuradas na Operação Cui Bono e, se permanecer solto, ele pode atrapalhar as investigações. “É que em liberdade, Geddel Vieira Lima, pelas atitudes que vem tomando recentemente, pode dar continuidade a tentativas de influenciar testemunhas que irão depor na fase de inquérito da Operação Cui Bono, bem como contra pessoas próximas aos coinvestigados e os réus presos Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e Lúcio Bolonha Funaro”, diz o juiz em sua decisão.

    Portal CTB com agências