Sidebar

27
Qui, Jun

Fetaema

  • A Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Maranhão (Fetaema) convida as trabalhadoras e os trabalhadores rurais para participarem dos protestos desta quarta-feira (8) – Dia Internacional da Mulher em todo o estado.

    “Ocuparemos as ruas para protestar contra a reforma da previdência, porque ela penaliza a classe trabalhadora, com muita ênfase à agricultura familiar. Mas nós mulheres somos as mais prejudicadas”, diz Rosmari Malheiros, secretária-geral da Fetaema.

    Pela ampliação dos direitos conquistados, a Fetaema realiza manifestações em suas 10 regionais sindicais, com a participação massiva dos trabalhadores e trabalhadoras rurais filiados aos 2.014 sindicatos associados à federação. “Chamamos nosso ato de ‘O Dia D de Mobilização contra a Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência”, explica Malheiros.

    De acordo com ela, as mulheres são as mais prejudicadas porque “somos nós que sabemos o preço do feijão, do leite, do material escolar, da roupa das crianças”. Ela afirma ainda que uma trabalhadora rural se aposentar aos 65 anos de idade é um disparate, porque a nossa jornada já é extensiva e ainda temos que cuidar da casa e dos filhos”.

    Saiba onde será a manifestação da sua região e participe:

    1) Baixada Oriental: São Luís (Estiva).
    2) Alto Turi: Santa Luzia do Paruá.
    3) Pindaré: Estaca Zero.
    4) Baixada Maranhense: Estrada de Pinheiro.
    5) Médio Sertão: BR 316 (Saída de São João do Sóter).
    6) Sul: Balsas.
    7) Baixo Parnaíba: Palestina.
    8) Tocantina: BR 010 (Estrada da Cidelândia).
    9) Mearim: Caxuxa.
    10) Cocais: Presidente Dutra.

    Portal CTB

  • Os trabalhadores e trabalhadoras das zonas Urbana e Rural do estado do Maranhão, cruzaram os braços em quase 100% dos municípios. A GREVE GERAL alcançou 200 cidades, de um total de 217. Na capital, São Luís, o transporte público parou 100% com a importante adesão dos Rodoviários. A CTB-MA calcula que mais meio milhão de pessoas tenham participado da GREVE em todas as regiões do estado.

    Desde as 4h da última sexta-feira, 28, trabalhadores de centenas de categorias começaram a se concentrar em diversos pontos estratégicos do Estado. Em São Luís, foram realizados atos na avenida dos Portugueses, fechando a rodovia que dá acesso ao Porto do Itaqui nos dois sentidos; Praça Deodoro, centro; e Estreito dos Mosquitos, BR 135, entrada da Capital. No interior, os trabalhadores e trabalhadoras cruzaram os braços nas mais diversas cidades: nas cidades de Imperatriz (BR 010); Brejo, no povoado Palestina, às margens da MA 034; Pinheiro, Baixada Maranhense; Santa Luzia do Paruá, no povoado Alto Turi, e em Pindaré, Estava Zero, ambas na BR 316; Alto Alegre do Maranhão, no povoado Caxuxa, na altura da rotatória da BR 135; em Caxias, na BR 316; no centro da cidade de Balsas, Sul do Estado; em Presidente Dutra, Região dos Cocais, e Cidelândia, Região Tocantina.

    O evento foi convocado pelas centrais sindicais (CTB, CUT, CSP Conlutas, CSB, Força Sindical, NCST e UGT), e pela Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Maranhão (Fetaema). Nesse clima de unidade, a GREVE GERAL parou o Maranhão e chamou a atenção da sociedade e dos parlamentares estaduais e federais para o clamor social contra os ataques aos direitos sociais do povo brasileiro.

    O presidente da CTB-MA, Joel Nascimento, ressaltou o alcance do movimento no interior do Maranhão e por todo o país, como forma de enfrentamento tanto ao Governo Federal quanto ao Congresso Nacional, especialmente os 12 deputados maranhenses que votaram a favor da reforma trabalhista. “Precisamos de um movimento unificado para dizer não aos políticos e prosseguir na luta pela manutenção dos nossos direitos”, avaliou.

    Márcio Rodrigo – CTB-MA

  • Desde às 4h30, mais de 50 mil trabalhadoras rurais, ligadas à Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Maranhão (Fetaema), protestam contra as reformas da previdência e trabalhista.

    Além dessas bandeiras, as trabalhadoras defendem a agricultura familiar e o combate à violência contra a mulher. “Este 8 de março tem um sabor diferente. É o primeiro após a deposição da presidenta Dilma. Isso nos faz sair às ruas para defender nossas conquistas”, diz Rosmari Malheiros, secretária-geral da Fetaema.

    Para a sindicalista, as mulheres estão cada dia mais presentes na defesa da democracia porque “somos nós que sentimos primeiro os efeitos da crise e os cortes de verbas nos setores sociais”. Ela acredita que o descaso com os programas sociais está “devolvendo à pobreza um número muito grande de famílias e as mulheres são as que mais sofrem”.

    ctb ma 8 de marco 2017

    Já o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Maranhão (CTB-MA), Joel Nascimento afirma que a central apoia integralmente as trabalhadoras que defendem a igualdade de gênero e lutam pelos seus direitos.

    “O Dia Internacional da Mulher é uma data histórica e de luta. As mulheres brasileiras estão perdendo muitas conquistas com esse governo golpista. Nós da CTB estamos juntos com as mulheres na campanha pela igualdade de direitos”, diz.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy com informações da Fetaema