Sidebar

20
Seg, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A desembargadora Eleneora Saunier, do Tribunal Regional do Trabalho 11ª Região (TRT-11), aumentou de R$ 30 mil para R$ 200 mil a multa diária do Sindicato dos Rodoviários de Manaus por defenderem que se cumpra a lei do reajuste determinado pela Justiça do Trabalho de pagamento de 3,5%. Numa negociação entre trabalhadores e patrões, mediada pela Justiça do Trabalho há dois anos, ficou definido o valor de 3,5% de reajuste que os patrões nunca cumpriram num claro desrespeito à determinação judicial e ainda mais à categoria.

Já são dois anos que os empresários simplesmente se negam a pagar o rejuste. O sindicato vem denunciando o descumprimento do acordo e em vez dos empresários serem notificados a cumprir a decisão da justiça ou sofrerem alguma pena pelo descumprimento do acordo, são os trabalhadores que são mais uma vez penalizados, tratados como bandidos, e o sindicato que luta para que a justiça seja cumprida, já teve seu presidente algemado e preso, suas contas bloqueadas e mais uma vez sofrerão uma multa fora da realidade e. da razoabilidade.

Os deveriam estar sendo penalizados são os empresários do transporte público, que sambam na cara da justiça descumprindo acordos celebrados e ainda são protegidos pela própria justiça!

rodoviarios am greve

A desembargadora considerou a greve ilegal e abusiva. A única forma dos trabalhadores pressionarem os patrões para o cumprimento dos acordos firmados perante a Justiça do Trabalho é considerada fora da lei!! Lutar para que as leis sejam cumpridas não é crime!

Ilegal e abusiva é a forma como os patrões vêm tratando a categoria a três anos! Há dois anos foi comprovado que havia defasagem salarial, é estipulado um índice de reajuste que os patrões se recusam a pagar!

Enquanto isso temos uma das passagens mais caras, os (as) motoristas e cobradores (as) trabalham em condições precárias, em ônibus sucateados, expostos a todo tipo de violência, tendo suas vidas ceifadas em assaltos recorrentes.

Se a desembargadora utilizasse o transporte coletivo para trabalhar ou se os seus (as) filhos (as) dependessem deles para ir à escola, para tratar sua saúde ou para uma emergência médica, ou para o lazer, talvez, entendesse que o povo trabalhador e suas famílias sofrem as consequências dos preços ilegais e abusivos praticados pelos empresários do transporte em Manaus.

Desembargadora, faça justiça! Notifique os empresários para cumprirem as decisões da Justiça do Trabalho ou serão punidos com multa de R$ 200 mil para cada dia nestes dois anos em que os (as) trabalhadores (as) rodoviários (as) não receberam seu reajuste!

Lutar não é crime! Todo apoio ao Sindicato dos Rodoviários de Manaus

A Direção

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.