Sidebar

26
Dom, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Mais de cem policiais militares invadiram na manhã desta sexta-feira (1º) a sede da torcida organizada do Corinthians Gaviões da Fiel, em São Paulo. A ação ocorre um dia depois de um protesto organizado pela torcida diante da Assembleia Legislativa de São Paulo a favor da instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a máfia da merenda, que já tem alguns presos pela Polícia Civil do estado.

Não é a primeira ação da Polícia Militar. Pouco tempo atrás policiais fortemente armados invadiram a sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em Diadema, onde ocorria uma reunião sobre apoios ao ex-presidente Lula que havia sofrido a condução coercitiva pela Polícia Federal, no dia 4 de março.

Também em diversas manifestações onde grupos contrários se encontram, a PM paulista protege os grupos contra a presidenta Dilma e agride o lado contrário, como ocorreu em manifestação de estudantes na Pontifícia Universidade Católica, onde bateu em estudanes que gritavam: "não vai ter golpe".

Neta sexta, mais de uma centena de membros da Gaviões fez um protesto na Assembleia contra seu presidente, Fernando Capez (PSDB), por desvios e superfaturamento da merenda escolar. Os protestos também denunciam a falta de merenda em inúmeras escolas. Sendo que o movimento estudantil também denuncia o fechamento de milhares de salas de aula.

Inclusive a Gaviões promove a campanha Faça Sua Vez, Vamos Suprir a Merenda do Investigado “Da Vez” (leia aqui) e nos estádios vem exigindo a punição dos responsáveis por tirar comida da boca de crianças. Protestam também para haver investigação das acusações de corrupção na Federação Paulista de Futebol e na Confederação Brasileira de Futebol e atacam a exclusividade da Rede Golpe de Televisão (ex-Globo) nas transmissões, o que, segundo os torcedores, prejudica a freqêuncias nos estádios, principalmetne nos dias de semana.

Gaviões com portas abertas

Um dos membros da diretoria da torcida, que não se identificou, disse nas redes sociais que “nós estamos trabalhando e tranquilos e com as portas abertas às autoridades, não temos nada a esconder e não vão nos calar”.

Mais de uma dezena de viaturas foram acionadas para a operação, que contou também com cães policiais. Recentemente, a Polícia Militar agrediu com bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e balas de borracha torcedores da organizada – e outros não filiados à torcida – no estádio do Corinthians, em Itaquera.

Também hoje foi preso pela Polícia Civil Deivison Correia, que supostamente teria agredido o presidente Rodrigo Fonseca e o secretário Cristiano de Morais Souza, da Gaviões da Fiel, no estacionamento de um supermercado na zona oeste de São Paulo.

Supostamente, ele seria um dos responsáveis pelas agressões que os dois corintianos sofreram em 2 de março. Correia seria integrante da Mancha Verde, principal torcida organizada do Palmeiras, e foi preso com centenas de pinos de drogas.

No próximo domingo, Palmeiras e Corinthians entram em campo em jogo válido pelo Campeonato Paulista, no estádio do Pacaembu.

Portal CTB com informações do Portal vermelho

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.