Sidebar

19
Seg, Nov

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Partidos do campo democrático e popular do Distrito Federal, apoiados por diversas entidades, entre elas a CTB, lançaram ontem (18) em Brasília, uma Frente Ampla em Defesa da Democracia. O ato ocorreu na praça Zumbi dos Palmares, no Conic. A frente composta pelas legendas PCdoB, PDT, PSB, PSOL, PROS, PCB e PT reafirma o compromisso com a Democracia e os direitos sociais, conforme estabelecido na Constituição. A organização manifesta seu apoio à defesa dos interesses nacionais, representada pela candidatura de Fernando Haddad e Manuela D'Ávila.

Na ocasião, foi lançado um Manifesto em Defesa da Democracia, dos Direitos e da Soberania Nacional. O documento chama atenção para o fato de que o segundo turno das eleições presidenciais possui dois projetos políticos antagônicos: um, representado pelo candidato Haddad, que visa construir o bem-estar social, a preservação dos direitos conquistados e a defesa da soberania nacional; outro, defendido pelo candidato Jair Bolsonaro, de caráter ultraliberal de redução do Estado, privatização das empresas públicas, entrega dos recursos naturais e diminuição dos direitos civis e trabalhistas.

"A CTB faz parte dessa frente Ampla em defesa da Democracia que está ameaçada. O momento crítico pelo qual o País atravessa exige nossa participação e responsabilidade, num esforço coletivo em defesa dos direitos sociais e trabalhistas", declarou Vítor Frota, dirigente da central no DF.

Mara Veber, dirigente da Federação dos Trabalhadores no Judiciário Federal (Fenajuf), afirmou que a entidade esteve presente, apoiando a Frente, "por entender a gravidade do momento, do risco grande de retrocesso. O que está em jogo é um projeto de destruição do Estado brasileiro, da soberania, dos serviços públicos e dos direitos sociais, civis e humanos. A gente tem muita consciência no movimento sindical hoje de que essa eleição está disputando um modelo civilizatório, mais do que apenas uma pauta ou uma plataforma de governo. Por isso, a importância do engajamento, do esforço maior, porque o nosso futuro está jogo. Então, essa consciência que está nos movendo é que vai fazer a gente vencer no dia 28".

O presidente da União Nacional de Lésbicas Gays Bissexuais Travestis e Transexuais (UNALGBT), Andrey Lemos, destaca que "devemos participar de todas as lutas, em todos os estados do Brasil, em defesa das liberdades individuais e coletivas e, principalmente, da Democracia. Essa disputa histórica que estamos vivendo no Brasil não é apenas uma mera disputa entre siglas partidárias, é um embate de projetos de sociedade. Nós precisamos de uma vez por todas enterrar a semente do fascismo que vem crescendo no nosso país, ameaçando os direitos dos povos indígenas, da população negra, das mulheres e da população LGBT. Diante disso, a UNALGBT diz sim à candidatura do Haddad, porque hoje é o projeto que representa os nossos anseios, que tem compromisso com o avanço dos direitos sociais e pensa num rumo de desenvolvimento por meio de um processo civilizatório, onde as pessoas possam ter os seus direitos respeitados e a liberdade de expressão assegurada".

 

De Brasília, Ruth de Souza - Portal CTB

 

 

 

 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.