Sidebar

16
Dom, Jun

O presidente da CTB, Adilson Araújo, e o assessor Umberto Martins no consulado de Cuba em São Paulo manifestaram a solidariedade da Central classista com a revolução durante reunião com os diplomatas Antonio Mata Salas e Aurin Guerrero Chacón

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Será realizada neste sábado (8) a X Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba de São Paulo. O evento ocorrerá no Sindicato dos Bancários, situado na rua São Bento, 413, próximo à Praça da Sé, no centro da capital. No ano em que comemora os 60 anos da revolução que resgatou o país da opressão e humilhação imperialista, a ilha socialista é vítima de uma forte ofensiva dos Estados Unidos, com o governo de Donald Trump recorrendo inclusive ao bloqueio marítimo para exigir que o governo cubano deixe de ser solidário com a revolução bolivariana da Venezuela e o governo Nicolás Maduro.

"A solidariedade de Cuba com o Presidente Constitucional Nicolás Maduro Moros, com a Revolução bolivariana e chavista e com a união cívico-militar de seu povo, não é negociável", afirmou o governo cubano em uma declaração publicada na imprensa local, rechaçando a chantagem da Casa Branca.

A abertura da convenção, prevista para 9h30, será dedicada ao debate do tema “A nova Constituição cubana e as intervenções do imperialismo na América Latina”. À tarde ocorrerá o lançamento do documentário “Cubanas, mulheres em revolução”. A reunião será encerrada com a leitura da “Carta de São Paulo”, documento que vai refletir a solidariedade das forças progressistas brasileiras com o regime revolucionário que Washington tenta destruir desde a derrubada do ditador Fulgêncio Batista, lacaio dos EUA ligado à máfia da Chicago, no réveillon de 1949.

Participarão da convenção, que é aberta ao público, organizações solidárias com Cuba, bem como personalidades e militantes dos movimentos sociais e partidos progressistas que defendem o sagrado direito dos povos e nações à autodeterminação e rejeitam a ingerência imperialista dos EUA na América Latina e nos países do chamado Terceiro Mundo que não rezam pela cartilha imperialista. 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.