Sidebar

26
Ter, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
O governo federal decidiu manter a atual política de conceder reajustes diferentes aos que recebem até um salário mínimo e aqueles que possuem um rendimento superior a um salário.

Dessa forma, o governo federal deverá enviar ao Congresso Nacional na próxima semana uma medida provisória (MP), por meio da qual, a partir de 1º de janeiro de 2010, o salário mínimo será reajustado em 8,7 pontos percentuais (inflação de fev/09 a dez/09 mais 100% do PIB acumulado ou seja 5,08 pontos percentuais), sendo elevado de R$ 465 para R$ 505. Já as aposentadorias acima desse valor serão reajustadas em 6,2 pontos percentuais.

Para o presidente da CTB, Wagner Gomes, o governo federal está errado em manter essa política de reajuste. “A CTB mantém sua posição, firmada em acordo com a Cobap e as outras centrais sindicais, que é a de reposição das perdas salariais dos aposentados que recebem acima do mínimo”, afirmou.

O acordo firmado entre as centrais e a Cobap é bem claro: os trabalhadores defendem o estabelecimento de uma Política Permanente de Recuperação dos Benefícios das Aposentadorias e Pensões com valores superiores ao salário mínimo, com base na variação do INPC do ano anterior, acrescido de 80% do PIB acumulado de dois anos anteriores.

A proposta que será publicada na MP da semana que vem acresce somente 50% do PIB acumulado dos dois anos anteriores ao reajuste. A Cobap definiu como “lamentável e digno de repúdio” o aumento. Para o presidente da entidade, Warley Martins, a posição do governo é inaceitável.

“Vamos mostrar nas ruas e nas urnas que os aposentados têm memória e jamais esquecerão desse presente de grego ofertado pelo presidente da República, que um dia foi um operário”, afirmou, em entrevista ao site da Cobap, prometendo para 2010 dezenas de atos em protesto contra o governo.

Fernando Damasceno – Portal CTB
0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.