Sidebar

16
Sex, Nov

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
A emenda ao Projeto de Lei 001/2007, que garante a todas as aposentadorias os mesmos índices de reajuste do salário mínimo, pode ser votada quarta-feira pelo plenário da Câmara dos Deputados. Como forma de pressão, as entidades de defesa dos direitos da categoria prometem repetir o movimento dos jovens cara pintadas, que, em 1992, conseguiram o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello.

Segundo o presidente da Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas Brasileiros (Cobap), Warley Martins, os aposentados vão sair às ruas com o lema dos “cara enrugadas”, com o rosto marcado pelo tempo e pintado com as cores da bandeira brasileira. “Nós não podemos fazer greve, mas temos uma arma nas mãos: o voto. É hora de pressionar os políticos, já que ano que vem temos eleições”, afirma.

Após reunião com representantes dos cerca de 600 aposentados que foram a Brasília para pedir a aprovação da matéria, o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), prometeu incluir o assunto na reunião do Colégio de Líderes, com ou sem a anuência do governo. Caso não concordasse com a demanda da categoria, os aposentados ameaçavam permanecer em vigília, inteirando 48 horas seguidas de protesto na Câmara. “Ele prometeu colocar em votação caso o governo não apresente antes uma proposta de acordo com a Cobap e com as centrais sindicais que não apoiaram o substitutivo ”, diz Martins.

Pelos cálculos da Cobap, é a sétima vez que Temer teria se comprometido a votar a emenda ao PL 001, que interessa aos aposentados. Ainda que não haja entendimento entre os líderes partidários para que o projeto entre em pauta, a pressão exercida pelos aposentados poderá ter outras consequências. Deve apressar a votação do substitutivo ao Projeto de Lei 3.299, do relator Pepe Vargas (PT/RS), que trata originalmente da substituição do fator previdenciário pela fórmula 95/85 e vai passar a englobar os pontos do acordo fechado entre representantes do governo e centrais.

A proposta do governo é transformar todos os projetos – três ao todo – aprovados no Senado que tratam de questões do interesse dos aposentados em um único projeto. No único projeto, o reajuste para os benefícios superior a um salário mínimo seria de 6,17%, o que daria um ganho real acima da inflação. Pelo substitutivo de Pepe Vargas, o fator previdenciário seria substituído pelo fator 95/85. Pela proposta, o trabalhador que conseguir somar os anos de contribuição e de idade e atingir o fator 95, no caso dos homens, e 85, no caso das mulheres, terá aposentaria integral.
0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.